Home

Área Restrita

Últimas Notícias

Serviços Públicos

Certidões

Situação Cadastral

Formulários

Contatos

Cármen Lúcia alerta para

A ministra Cármen Lúcia, vice presidente eleita do Supremo Tribunal Federal (STF), alertou nesta segunda feira, 25, para a ameaça da insatisfação popular ante a descrença no Estado. Ao abordar a “avalanche de processos” nos tribunais ela disse: “Muitas vezes, especialmente na parte administrativa, eu acho que estou maquiando cadáver. Esse Estado brasileiro, como está estruturado e como a Constituição previu há 25 anos, não atende mais a sociedade. O que era esperança, na década de 1980, pode se transformar em frustração. A tendência de uma frustração, o risco social é se transformar em fúria. E, quando a fúria ganha as ruas, nenhuma ideia de Justiça prevalece.”

Cármen Lúcia participou de um debate sobre foro privilegiado, promovido pela Associação dos Advogados de São Paulo (AASP), ao lado do ex-presidente do STF, Antonio Cezar Peluso, e do criminalista Antonio Cláudio Mariz de Oliveira – aquele defendeu o foro especial, este condenou com veemência.

“Privilégios existem na monarquia e não na República”, disse a ministra. “O Supremo é tribunal, não é corte. E o que não é explicável significa que tem na sua base uma concepção que está socialmente errada. Eu não vejo como se garantir materialmente o princípio da igualdade, preservando os que são sim privilegiados.”

Cármen Lúcia advertiu para a extensão da prerrogativa de foro por função. “Basta ver que as Constituições estaduais fizeram mais. Procurador geral do Estado amigo do governador deu um jeitinho de ser incluído também no rol daqueles que somente seriam julgados pelo Tribunal de Justiça. Então, não vejo como se afirmar que o princípio da igualdade esteja sendo rigorosamente cumprido.”

Ela abriu uma exceção, para presidente da República, assim como Mariz de Oliveira. “Pelo que ele (presidente) simboliza e pela dimensão de dados que tem na sua mão, levar o caso para o juiz de primeiro grau compromete tanto a prestação eficiente, quanto a Justiça dessa prestação. Daí porque concordo que quanto ao presidente a ação se mantenha no Supremo. Faço exceção, sim, ao presidente da República. Acho que presidente da República é muito mais vulnerável também a injunções perversas.Mas, no geral, não há razão para isso (foro privilegiado), nenhuma razão.”

Para a ministra do Supremo não há motivo para “distinguir entre o cidadão que exerce a função de pedreiro, que é uma função honrosa, e o que exerce uma função pública, um cargo público”.

“O que eu quero é um Brasil que seja justo para todo mundo, muito mais igual, sem privilégios”, declarou. “Qualquer privilégio, quando não atende o princípio da igualdade material, não tem razão de existir, nem sustentação.” Para a ministra, no caso de presidente, o foro especial representa uma “dupla proteção, para a sociedade como um todo e uma garantia para o próprio juiz”. “Não porque não seja um bom juiz, mas o juiz que assume pela primeira vez no interior, ele às vezes treme de medo na primeira audiência. Imagine submete-lo a isso (julgar demanda envolvendo o presidente da República).” Ao comentar sobre a avalanche de processos no País, a ministra do Supremo enfatizou. “Quando o Estado, Executivo, Legislativo e Judiciário, não funciona bem, as leis não estão sendo cumpridas a contento, os serviços não estão sendo prestados, o que é a esperança vira frustração. A frustração vira ira, porque ele (cidadão) se sente frustrado, tantas vezes e tantas vezes, que ele vai perdendo entusiasmo e aí é perigoso. O Estado existe para que as pessoas tenham mais chances de ser felizes. O Estado não pode ser causa da infelicidade de ninguém. O direito existe para que as pessoas possam se fazer felizes, para que ele tenha chance de ser feliz, para que ele vá dormir sem medo. Precisamos repensar isso, com seriedade.”

Ela conclamou os advogados, os juristas e todo o universo forense que digam que Supremo querem. “Um País que tem, segundo dados, não sei se são corretos, mais de 80 milhões de processos, considerando que somos 200 milhões de pessoas, há que se convir que há alguma coisa muitíssimo errada no País ou na sociedade. Por isso mesmo (o sistema) precisa ser repensado como um todo. Que Supremo Tribunal Federal querem, qual o Supremo que nós temos e qual o que nós queremos ter.”

Cármen Lúcia falou sobre “o jogo dos recursos” que fazem arrastar as ações indefinidamente. “Aí precisamos pensar, a comunidade jurídica como um todo, o processo como um todo. O processo tem atuado como um jogo, quem está ganhando quer que acabe depressa, quem está perdendo não quer que acabe e ele vai com outro (recurso) e com outro. Isso acontece quando vejo meu irmão assistindo futebol. Quando o time dele está perdendo, ele xinga o juiz até, como eu imagino que me xinguem na hora que alguém recorre e eu não tenho nada com isso e tenho que continuar pondo em pauta.”

Para a ministra, existem outras formas de conciliação, sem judicialização. “É preciso dar importância, é preciso que a sociedade entenda que quando se busca a jurisdição, vai ter começo, meio e fim, como tudo na vida, como a própria vida. Então, eu acho que o raciocínio tem quer ser maior. É preciso levar à sociedade brasileira o número de processos em curso para acabar também com algumas ilusões, de que a demora é muito grande.”

Ela destacou que a polêmica sobre a morosidade da Justiça se prolonga há décadas. “A primeira conferência que assisti, como aluna, em 1974, foi do ministro Aliomar Baleeiro, em 1974. Ele tinha sido ministro do Supremo e falou sobre a morosidade da Justiça. Quarenta anos depois estou eu como ministra do Supremo falando sobre morosidade da Justiça. A pergunta é: a quem interessa? Ao juiz interessa a celeridade. Mas alguém está interessado em manter a morosidade. Não vamos ser bobos. É preciso discutir isso.”

Fausto Macedo

Mais Notícias

CUIDADOS FISCAIS NA VENDA DE MERCADORIAS E PRODUTOS: CUIDADOS FISCAIS NA VENDA DE MERCADORIAS E PRODUTOS

Legislação sobre folgas para quem trabalhar nas eleições.: Legislação sobre folgas para quem trabalhar nas eleições.

Confaz regulamenta ICMS de importados: Confaz regulamenta ICMS de importados

Receita exige documento digital para empresas: Receita exige documento digital para empresas

CONTALEX É PREMIADA COMO DESTAQUE NACIONAL 2013: CONTALEX É PREMIADA COMO DESTAQUE NACIONAL 2013

EMPREGADO DOMÉSTICO 2013 - ALTERAÇÕES: EMPREGADO DOMÉSTICO 2013 - ALTERAÇÕES

REGULARIDADE DE IMÓVEIS RURAIS NOS ORGÃOS AMBIENTAIS: REGULARIDADE DE IMÓVEIS RURAIS NOS ORGÃOS AMBIENTAIS

DEFENDA-SE!: 10 DICAS DE SEGURANÇA NA INTERNET

CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIA PROFISSIONAL LIBERAL: CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIA PROFISSIONAL LIBERAL

Recolhimento de tributo não impede ação penal: Recolhimento de tributo não impede ação penal

BENEFÍCIOS À PACIENTES PORTADORES DE DOENÇAS CRONICAS: BENEFÍCIOS À PACIENTES PORTADORES DE DOENÇAS CRONICAS

A gestão de custos na pequena empresa : A GESTÃO DE CUSTOS NA PEQUENA EMPRESA

REFLEXÃO - IMPOSSIVEL É CAPAZ!: REFLEXÃO - IMPOSSIVEL É CAPAZ!

Ninguém se importa como o dono se importa.: Ninguém se importa como o dono se importa.

Diálogo entre o vento e o mar, um paradigma contábil: DIÁLOGO ENTRE O VENTO E O MAR, UM PARADIGMA CONTABIL

Gestão Empresarial: Fidelização de clientes

PREVIDÊNCIA: PREVIDÊNCIA

CONTABILIDADE: CONTABILIDADE

ICMS - COMPENSAÇÃO COM PRECATÓRIO: ICMS COMPENSAÇÃO COM PRECATÓRIO

LEGISLAÇÃO E TRIBUTOS: CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIA.

Contalex Consultoria Empresarial

Av. Presidente Roosevelt, 296  -  CEP 17501-480  -  Marília-SP

Fone: (14) 3413-2396  -  Fax: (14) 3454-4424  -  E-mail: contalex@econtalex.com.br

Área exclusiva para clientes Contalex.

Login:

Senha:

Bem vindo a Contalex!

O seu escritório VIRTUAL!